quinta-feira, 15 de março de 2018

3) Uma assembleia bíblica dará ao Senhor Seu legítimo lugar em conduzir as reuniões pelo Espírito Santo

Número Três

Uma Assembleia Bíblica Dará ao Senhor Seu Legítimo Lugar em Conduzir as Reuniões Pelo Espírito Santo


                 Vamos de novo para Mateus 18:20, mas agora para focarmos em outra parte do versículo. Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em Meu nome, aí estou Eu no meio deles. O ponto que queremos enfatizar agora é o fato de que o Senhor está “no meio” de uma assembleia reunida biblicamente. O Senhor fez uma maravilhosa promessa aqui! Ele prometeu estar realmente no meio daqueles reunidos ao Seu nome. Ele não está falando de estar lá fisicamente, mas em espírito.
                 Isto significa que se Ele que é a Cabeça da Igreja está no meio da assembleia, assim reunida pelo Espírito ao Seu nome, Ele deve ser o Único a dirigir as reuniões. Hebreus 2:12 confirma isto dizendo que o Senhor está “no meio da congregação – e Ele está lá para guiar o louvor do Seu povo. Seu grande Agente para guiar todo o proceder na assembleia é o Espírito Santo. Consequentemente, uma assembleia reunida biblicamente não terá um homem estabelecido em seu meio para conduzir as reuniões – isto é, um clérigo (assim chamado Sacerdote, Pastor ou Ministro). Definir um dirigente humano para conduzir os procedimentos na assembleia – independentemente de quão piedoso e talentoso o homem possa ser – é uma negação de que Cristo está lá para dirigi-la pelo Espírito.
                   Primeira a Coríntios 12:7-11 diz, Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil. Porque a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência; E a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar; E a outro a operação de maravilhas; e a outro a profecia; e a outro o dom de discernir os espíritos; e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas. Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer. Esta passagem indica que o Espírito de Deus não somente dá dons espirituais aos membros do corpo de Cristo, mas também dirige a operação desses dons na assembleia. Se for dada liberdade ao Espírito de Deus nas reuniões da assembleia, o Senhor, pelo Espírito, conduzirá um aqui e outro ali para que apresente uma palavra de louvor ou ministério. No capítulo 14:26-40 vemos isto em ação, indicado (na versão inglesa King James) pela palavra “let”[1]. Esta pequena palavra é usada 12 vezes nesses poucos versículos que descrevem os procedimentos numa reunião de ministério na assembleia. É uma exortação aos santos para que permitam o Senhor conduzir pelo Espírito os vários membros do Seu corpo que estão presentes na reunião em adoração e ministério.

A Posição de um Clérigo na Igreja Não é Encontrada
na Escritura

                   É triste dizer, mas a maioria das organizações da igreja tem um clérigo ordenado para conduzir os serviços. Diferentes nomes são dados a esta posição criada pelo homem na Igreja; ele pode ser chamado de “Sacerdote”, ou “Ministro”, ou “Pastor”, dependendo de qual setor do mundo Cristão ele vem. Independentemente de qual escola um Pastor ou Ministro ordenado possa ter vindo, todo o conceito de um clérigo presidindo uma assembleia de Cristãos é uma invenção humana, e não é encontrada na Palavra de Deus. W. T. P. Wolston disse, “A ideia está na cabeça dos homens, mas não na Escritura”.
                 Alguns podem contestar isto e dizer, “Mas lemos sobre pastores na Bíblia”. Sim, isto é verdade, um pastor é uma pessoa a quem foi dado o dom para pastorear o rebanho de Deus. É um dos muitos dons que Cristo dá à Igreja para ajudar os membros do corpo a crescerem (Ef 4:11-13). O que contestamos é aquilo que as igrejas denominacionais denominaram “Pastor”. Eles fizeram do dom de pastor algo que não é encontrado na Escritura. Tomaram um termo bíblico e o associaram a uma posição não bíblica na Igreja. E o que é tão confuso a esse respeito é que a pessoa pode ocupar esta posição sem nem mesmo ter o dom de pastor! Ele pode ter o dom de um evangelista, ou de um mestre, ou algum outro dom, e ainda assim carregar o título de “Pastor”. E por que nomear unicamente este dom no corpo de Cristo para esta posição?
                 Estabelecer um homem para conduzir as reuniões na assembleia é realmente uma negação prática da liderança de Cristo. C. H. Mackintosh disse, “Se Jesus está em nosso meio, por que pensaríamos em estabelecer um dirigente humano? Por que não permitirmos unanimemente e de todo o coração, que ele tome o assento presidencial e nos curvemos a Ele em todas as coisas? Por que estabelecer autoridade humana sob qualquer modelo ou forma na casa de Deus? Pode ser dito pelos defensores da autoridade humana, ‘Como uma assembleia poderia funcionar sem alguma direção humana? Isso não levaria a todo tipo de confusão humana? Isto não abriria a porta para todos se intrometerem na assembleia independentemente de dom ou qualificação?’ Nossa resposta é muito simples. Jesus é Todo-Suficiente. Podemos confiar n’Ele para manter a ordem em Sua casa. Sentimo-nos muito mais seguros nas Suas graciosas e poderosas mãos do que nas mãos do mais atraente dirigente humano”.
                   Que triste confusão entrou na casa de Deus como resultado do estabelecimento de um clérigo em seu meio para conduzir os procedimentos da assembleia. Este arranjo humano afastou a simplicidade da ordem divina. É algo de tal maneira aceito na Cristandade que as pessoas não pensam duas vezes sobre esta posição criada pelo homem na Igreja. Isto é tão difundido que pode ser visto desde a catedral de São Pedro em Roma até a menor capela evangélica. O que é mais sério a esse respeito, é que isto interfere na direção do Espírito Santo na assembleia. A noção de um clérigo é “dispensacionalmente um pecado contra o Espírito Santo” (J. N. Darby).
                 As palavras do Senhor enviadas às sete igrejas em Apocalipse 2-3 indicam que esta prática está na igreja há muito, muito tempo. Isto é indicado naqueles a quem o Senhor chama de “os Nicolaítas” (Ap 2:6, 15). Respeitados expositores os identificam como trabalhadores malignos que minaram a ordem apostólica nas igrejas, introduzindo o sistema clero - leigo. Isto pode ser visto a partir do significado do nome que o Senhor deu a eles. “Nico” significa “governar” e “laítas” significa “o povo”, raiz de onde vem a palavra “leigo”. O que precisamos ver aqui é que esta ordem criada pelo homem é algo que o Senhor “odeia” (ARA). Percebendo que essa intrusão na ordem de Deus é algo que não é bíblico e que é odioso para o Senhor, uma assembleia reunida biblicamente certamente deve rejeitá-lo.
                                         
Ordenação

                 A prática na Cristandade em escolher um assim chamado “Pastor” é algo que também não é encontrado na Escritura. Referimo-nos ao processo pelo qual um clérigo chega para presidir numa igreja local. O procedimento usual é que o aspirante a "Pastor" ou "Ministro" é convidado por uma igreja em particular onde lhe é dada uma oportunidade de se provar dando alguns sermões. Se a pregação dele for aceitável à congregação, eles votarão nele para ser seu “Pastor”. No entanto, não encontramos na Escritura que haja alguma assembleia local que escolha um pastor para conduzi-la! Nem mesmo um apóstolo nunca nominou um pastor para presidir numa assembleia local de Cristãos. “De onde veio essa prática?”
                 Ademais, não há uma pessoa na Bíblia que tenha sido ordenada por homens para pregar o evangelho ou ministrar a verdade à Igreja! Se fosse a vontade de Deus que a Igreja assim o fizesse, Ele nos teria instruído sobre isso na Sua Palavra – mas não há sequer uma menção disso. As únicas pessoas na Bíblia que foram ordenadas foram os anciãos, e eles nunca foram escolhidos por uma assembleia local, mas por um apóstolo ou por alguém delegado por um apóstolo (At 14:23; Tt 1:5). A ordenação, hoje praticada em igrejas denominacionais, envolve a imposição das mãos por aqueles que supostamente têm algum poder espiritual para conferir algo a uma pessoa. Mas é uma pretensão pensar que a ordenação vem por meio da imposição das mãos. Em cada caso onde anciãos foram ordenados na Bíblia, não é mencionado que mãos foram impostas sobre eles! W. Kelly disse, “Não tenho dúvida que o Espírito de Deus sabia da superstição que estaria ligada à história da Igreja nos últimos tempos, e assim, Ele tomou o cuidado de nunca conectar imposição de mãos com ordenação de anciãos... Minha afirmação é que, nesta questão da ordenação, a Cristandade perdeu a mente e a vontade de Deus; e é lutar em ignorância, mas não sem pecado, por uma ordem própria, o que é mera desordem”. T. MacMillian, que passou pelo processo de ordenação antes de aprender a verdade, disse, “Eles impuseram suas mãos vazias sobre minha cabeça vazia”.
                 Como vimos nas Escrituras citadas até agora, o papel de conduzir a adoração e o ministério na assembleia pertence ao Espírito Santo, não a algum dirigente humano – independentemente de quão talentoso e experiente possa ser. Se Deus confiou a obra de criar o universo ao Espírito Santo (Jó 26:13, 33:4; Sl 104:30), certamente Este seria capaz de conduzir uns poucos Cristãos reunidos em uma assembleia para adoração e ministério! O que a Escritura exige de nós é que haja fé no poder e na presença do Espírito, e isso é provado ao darmos a Ele o Seu devido direito de usar quem O apraz para falar nas reuniões. Desde o momento em que o Espírito de Deus foi enviado ao mundo no Pentecostes, procuramos em vão por qualquer dirigente da Igreja no Novo Testamento, exceto a soberana direção do Espírito Santo. Está claro, portanto, que uma assembleia bíblica não terá um dirigente humano para conduzir as reuniões, mas permitirá o Senhor dirigir pelo Espírito.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Resumo: Uma assembleia reunida biblicamente será livre do clericalismo em todos os modelos e formas, porque não é bíblico haver um homem dirigindo a congregação. Reuniões numa assembleia bíblica serão governadas pelo Senhor conduzindo os procedimentos pelo Espírito Santo. Vários membros do corpo de Cristo apresentarão oração, louvor ou ministério nas reuniões, sendo conduzidos pelo Espírito, sem ter um dirigente humano presidindo.




[1] (N. do T.: Na versão em Português o verbo “let” [permitir ou deixar acontecer] está subentendido no verbo fazer – “faça-se”)

Nenhum comentário:

Postar um comentário